Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Google-Translate-Portuguese to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese
ENQUETE
Qual a sua religião?
Evangélico
Católico
Testemunha de Jeová
Espírita
Ateu
Mórmom
Macumbeiro
Satanista
Ver Resultados






Partilhe este Site...

enter link, book download, free book, pdf free, free book, site, get pdf, download book, free book, fee epub,

O NASCIMENTO E DESENVOLVIMENTO DO PECADO
O NASCIMENTO E DESENVOLVIMENTO DO PECADO

.

 

“Mas cada um é tentado, quando atraído e engodado pela sua própria concupiscência. Depois, havendo a concupiscência concebido, dá à luz o pecado; e o pecado, sendo consumado, gera a morte” (Tiago 1:14-15)

 

Exite um verdadeiro “monstro” dentro de todos nós, que é a nossa carne. Esse tal “monstro” pode ser grande e assustador ou pequeno e inofensivo, dependendo do quanto que nós alimentamos o Espírito Santo que nos ajuda nas nossas fraquezas a derrotar o inimigo. Como também já foi mencionado, a carne não pode se “converter” ou deixar de ser naturalmente má, mas apenas podemos ter domínio (controle) sobre ela e submetê-la, ou tornar-se escravo dela, dependendo do quanto alimentamos o Espírito.

 

E como alimentamos o Espírito? Como também já foi dito, é buscando a Deus, ou seja, orando, jejuando, lendo a Palavra, louvando ao Senhor, indo à Sua Casa, etc. Ok, e voltamos tudo ao ponto inicial? Bom, não exatamente. O problema ainda continua o mesmo para aqueles que fazem essas coisas, mas mesmo assim tem vezes que acaba caindo na carne quando o desejo mal vem. O que é que se faz a mais nesses momentos? Ora, você já está coberto de oração, mas se mesmo assim vem o desejo pecaminoso, o que fazer neste momento? A melhor dica que eu tenho é o seguinte: mate a carne o quanto antes o possível. Isto é, se vem algum pensamento impuro ou imundo na sua mente, corte-o o quanto antes, na mesma hora em que ele vem.

 

Se vier algum desejo de chamar para a “briga” alguém na rua ou no trânsito, corte este desejo o quanto antes em seu coração. O problema maior deste “monstro” que habita dentro de nós (isto é, a nossa carne) é que a oração e a busca a Deus vão neutralizando aos poucos o poder da carne, e ela vai tornando-se mais inofensiva com o passar do tempo (você verá os frutos com o tempo), e por isso quando às vezes ela lança em si mesmo algum pensamento pecaminoso, você tem a “força” de mandá-lo embora nos mesmo momento, se quiser. Essa é a força que o Espírito Santo lhe concede. Mas, se você não lança embora o pensamento naquele mesmo momento ou o quanto antes, ele vai se desenvolvendo. É como Tiago escreve:

 

“Mas as pessoas são tentadas quando são atraídas e enganadas pelos seus próprios maus desejos. Então esses desejos fazem com que o pecado nasça, e o pecado, quando já está maduro, produz a morte” (Tiago 1:14,15 - NTLH)

 

Ou seja, o pecado nasce com um simples desejo. Aqueles que alimentam o Espírito Santo tem força suficiente para eliminar este desejo quando ele vem dentro de si mesmo, enquanto aqueles que não alimentam o Espírito nem ao menos conseguem controlar-se. Mas, mesmo para aqueles que alimentam o Espírito (lembre-se que Tiago escrevia a cristãos, convertidos), esse desejo pode começar a subir. Este desejo acaba sendo digerido, e o pecado acaba nascendo. Depois que o pecado nasce, ele vai amadurecendo. E, finalmente, depois que o pecado já está maduro, produz a morte espiritual na pessoa. Isso tudo é muito importante para entendermos a questão do pecado.

 

Embora o verdadeiro cristão que busca a Deus e alimenta o Espírito tenha controle sobre a sua própria carne (ou seja, o “monstro” fica menor do que nos incrédulos), o desejo pecaminoso implantado no nosso coração pode ir se desenvolvendo. E, se não fizermos uso da nossa “força” e matá-lo o mais rápido possível, ele vai se desenvolvendo, se desenvolvendo, se desenvolvendo.... até gerar o pecado... que amadurece... que gera a morte no cristão! Por que não é mencionada uma “pausa” neste processo? Porque a partir que o desejo mal habita em nossa mente e nós damos liberdade para ele atuar em nós, o “monstro” pequeno lá de dentro vai tendo liberdade para ir crescendo e se desenvolvendo.

 

Quanto mais você continua pensando, mas ele vai se desenvolvendo, e quanto mais esperarmos sem tomar atitude nenhuma, mais difícil será depois para eliminarmos no “meio” ou no “fim” do processo. Ao contrário, o monstro vai crescendo e o pecado amadurecendo. O próprio monstro vai amadurecendo, até causar a morte em nós. Por isso, o que fazer quando o desejo pecaminoso vem? Simplesmente, mate-o na hora, porque se você não matar ele vai crescer e amadurecer até que você se torne “escravo” novamente dele, por aqueles momentos. O desejo quando vem no início não vem com a força ou intensidade completamente descontroda. O crente que alimenta o Espírito tem controle sobre ele.

 

Mas se pensarmos que isso “não faz mal” ou que tal “domínio” vai continuar para sempre e que aquele “monstro” vai continuar “mansinho” e continuarmos a pensar impurezas, ele irá é começar a crescer novamente. É como um efeito de “bola de neve”. Se você não eliminar o monstro enquanto “criança”, ele vai se desenvolver até ganhar a maturidade e você não terá mais forças para controlá-lo. Um grande exemplo disso ocorre logo no relato do primeiro assassinato da história, de Caim em Abel. Deus disse a ele:

 

“Então o Senhor perguntou a Caim: Por que te iraste? e por que está descaído o teu semblante? Porventura se procederes bem, não se há de levantar o teu semblante? E se não procederes bem, o pecado jaz à porta, e sobre ti será o seu desejo; mas sobre ele tu deves dominar” (Gênesis 4:6,7)

 

Deus não iria dizer a Caim para ele dominar aquele desejo dentro dele se isso fosse uma “missão impossível”. O desejo pecaminoso já estava à porta, mas Caim tinha duas opções: Dominar o desejo, ou ser dominado por ele. Infelizmente Caim acabou tomando a segunda posição; pois, ao invés de dominar o desejo pecaminoso logo de cara, preferiu deixar que ele aumentasse a tal ponto que o pecado se consumasse, e ele matasse o seu próprio irmão:

 

“Falou Caim com o seu irmão Abel. E, estando eles no campo, Caim se levantou contra o seu irmão Abel, e o matou” (Gênesis 4:8)

 

Se Caim tivesse dominado o desejo logo no princípio (quando Deus o alertou), ele não teria assassinado o seu irmão. Foi por não ter controlado um desejo que ainda estava em sua fase inicial, que Caim matou o seu irmão Abel. O mesmo quadro ocorre muitas vezes em nossas vidas. Nem todos nós matamos literalmente o nosso irmão, mas muitas vezes caímos em outros tipos de pecados, não menos graves, e cujo princípio é o mesmo.

 

Isso só ocorre porque damos liberdade de atuação a esse desejo quando ele “jaz à porta”, assim como Caim. Quando abrimos a porta do nosso coração para desejo pecaminoso que insiste em querer entrar, ele toma conta da gente de tal modo que caímos nas tentações e somos culpados como transgressores da lei de Deus. Por isso, é necessário conter esse desejo logo de início. Se o pecado “jaz à porta”, não abra a porta para ele. Não deixe algo entrar em seu coração, se você sabe que isso irá dominá-lo e levá-lo ao pecado.

 

Mas por que Deus permite que o monstro possa crescer na hora até mesmo com os nascidos do Espírito ao invés de deixá-lo “inofensivo” desde o início até o fim do pensamento? Por que Deus permite que ele cresça e se desenvolva novamente durante aqueles momentos a tal ponto que fiquemos tal como quem nunca alimenta o Espírito?

 

Na verdade, é porque Deus nos concede o livre-arbítrio. Nós temos direito de escolha. Aqueles que realmente querem matar a carne alimentam o Espírito que deixa a carne mais inócua. O que Deus faz, então? Destrói a carne de uma vez por todas? Não, ela continua lá. O que Deus faz não é aniquilar inteiramente com a nossa carne, mas sim nos dar domínio sobre ela. Quando temos algum pensamento ou desejo no nosso íntimo que desagrade a Deus, sabemos que temos força pelo Espírito de derrotar o desejo mal que vem (tal força não existe nos que não alimentam o Espírito).

 

Mas se mesmo assim continuarmos deliberadamente a desenvolvermos tal desejo, ele vai se desenvolver até voltar a ser um “monstro grandão” e você ficará como se não tivesse “forças” novamente. Deus te dá forças, mas quem tem que usar essa força é você. Se você não faz uso dessa força que Deus lhe concede por alimentar o Espírito, a carne vai crescer na hora do mesmo jeito que já é grande naqueles que não buscam a Deus.

 

Você também poderia perguntar então: “Mas eu oro e busco a Deus e mesmo assim não tenho forças para tirar o desejo pecaminoso nem mesmo quando ele se inicia!”. Nesse caso, continue buscando a Deus, mas continue mesmo! Você verá com o tempo (e isso não é conversinha de falcatrua para iludir as pessoas) que VERDADEIRAMENTE você com o tempo começará a ter seus pensamentos limpos e curados. Pode ser assustadoramente de um dia pro outro mesmo tal mudança (mas depois de um bom tempo de busca), mas isso vai acontecer. Deus concede Graça a todos aqueles que alimentam o Espírito.

 

Mas, depois que isso acontecer, não pense que porque o monstro que antes lhe era assustador é algo a ser subestimado, ou que ele nunca mais irá crescer. Continue buscando a Deus, e ele lhe dará forças. Quando vier algum desejo mau, você terá forças para cortá-lo pela raíz. Mas se você não cortá-lo pela raíz, ele irá se desenvolvendo bem rapidamente até tornar-se uma árvore tão grande que é quase impossível de ser cortada. Não pense que por buscar a Deus o monstro nunca irá se desenvolver e por isso não tem problema continuar com o desejo mau no coração ou não.

 

Ao contrário, você tem que lutar para eliminá-lo na hora em que ele vem, fazendo uso a força que Deus lhe concede pelo Seu Espírito, a fim de que este desejo não cresça e se desenvolva a tal ponto de mesmo assim você voltar a ser dominado por ele, e o pecado amadurecer ainda mais, e gerar a morte.  A melhor dica de todas que existe é cortar o mal pela raíz, porque depois que ele vai crescendo ficará cada vez mais incontrolável dominá-lo, e o processo acaba gerando a morte.

 

Deus vai lhe perdoar caso esteja com um coração sincero diante Dele, mas não adianta pedir mais forças ainda caso você já busque o Espírito, porque Deus já lhe deu essa força. O que você tem que fazer é uso dela em reprimir o pecado quando ele se inicia. Lembre-se: Deus lhe concede o livre-arbítrio, e ele concede forças a quem O busca, mas quem tem que usar essa força é você. É por isso que Tiago também diz:

 

“Portanto, submetam-se a Deus. Resistam ao diabo, e ele fugirá de vocês” (Tiago 4:7)

 

Resistir ao diabo não significa ficar olhando ou pensando coisas imundas até você “resistir” e não pecar; ao contrário, resistir ao diabo significa exatamente não dar lugar para esse tipo de pensamento ou ação, resistir ao diabo é FUGIR do mal! Paulo exorta: Fujam de toda a aparência do mal” (1Ts.5:22). Nós temos é que fugir, não apenas do aspecto mais horrendo do mal ou de seus fins, mas também de sua própria aparência! O pecado não pode nem aparentemente fazer parte da vida do cristão. Resistir ao diabo implica também em submeter-se a Deus. No verso acima de Tiago, isso fica muito bem claro.

 

É apenas quando nós nos submetemos ao Senhorio de Nosso Senhor Jesus Cristo, obedecendo e guardando os seus mandamentos e estatutos, que nós veremos o diabo fugindo de nós. Ele não vai “fugir” de você depois que você alimentar um pensamento impuro, ao contrário, ele fugirá de você ao passo de que você resiste a ele, fugindo do mal até quando ele está apenas se inciando em uma “aparência”. Alimentar o mal significa fazer crescer o monstro, e não “resistir” a ele! Nós devemos é fugir do monstro (tudo aquilo que pode alimentar a carne desagradando ao Espírito de Deus), e assim o diabo fugirá de nós.

 

Em outras palavras, é fugindo da tentação que o diabo foge de nós! Nós vencemos quando fugimos, fugimos de toda e qualquer aparência do mal, usando no momento a Palavra do Deus vivo que é “viva e eficaz” (Hb.4:12), assim como fez Jesus no deserto (Mt.4). É usando e praticando a Palavra de Deus que teremos forças para declararmos a vitória sobre as tentações que são causadas pelo “nosso próprio desejo mau” (Tg.1:14).

 

----------------------------------------------------------------------------

Por: Lucas Banzoli.

 

Extraído de meu livro: "Como Vencer o Pecado". 

 

Clicando em ENVIAR CARTA, no menu esquerdo, você pode comentar, criticar ou debater sobre o assunto com o autor do site.

 

 

Curta no Facebook para estar por dentro das atualizações: