Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Google-Translate-Portuguese to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese
ENQUETE
Qual a sua religião?
Evangélico
Católico
Testemunha de Jeová
Espírita
Ateu
Mórmom
Macumbeiro
Satanista
Ver Resultados






Partilhe este Site...


A VERDADEIRA FACE DE DEUS
A VERDADEIRA FACE DE DEUS

.

 

 

De um lado, céticos e ateístas que apontam um deus cristão sanguinário, que não tem compaixão por ninguém e que toma inúmeras decisões erradas e depois se arrepende do mal que fez. Do outro, o Deus teísta cristão, que é amor, misericordioso, piedoso, justo e compassivo. Um Deus que quer o nosso bem, e na sua Onisciência toma as decisões mais certas que poderia. O contraste é tão grande que é impossível não fazermos a pergunta:

 

Qual é a verdadeira face do Deus cristão bíblico? Seria aquela apresentada pelos ateístas ou pelos cristãos? Aqui, irei resumir as objeções ateístas e anticristãs contra o Deus que a Bíblia nos apresenta, e esclarecer as questões que deixam muitos com uma verdadeira “dor de cabeça”.    

 

 

1) DEUS É MAL PORQUE DEIXA PESSOAS QUEIMANDO PARA SEMPRE NUM LAGO DE FOGO

 

Certamente deve ser difícil imaginar um ser Onisciente, que a Bíblia relata ser JUSTO e MISERICORDIOSO, designando de antemão que todas as pessoas que não cressem nele queimassem durante toda a eternidade num inferno, punindo pessoas com penas infinitas para pecados finitos. Isso não é nem um pouco compatível com a justiça e misericórdia de Deus demonstrada na Bíblia toda, e essa teoria abre espaços para muitas pessoas se desviarem e desacreditarem em Deus, como se este tivesse uma ira pelos ímpios que não cessasse nunca.

 

O que infelizmente as pessoas não sabem é que o que a Bíblia relata é exatamente o inverso disso. A mentira de Satanás (“Certamente NÃO morrerás”), dita primeiramente a Eva, permanece infelizmente até os dias de hoje, tirando milhares de pessoas da Igreja, que poderiam crer verdadeiramente em Deus se não tivessem esses falsos preceitos. A Bíblia não mostra em lugar nenhum, do início ao fim, que os ímpios vão ficar queimando para sempre no inferno. Muito pelo contrário, diz que cada um vai pagar DE ACORDO COM AS SUAS OBRAS:

 

Isaías 59:18 – Conforme o que fizeram lhes retribuirá: aos seus inimigos, ira; aos seus adversários, o que merecem; as ilhas, a devida retribuição”.

 

Isaías 65:6 – “Vejam, porém! Escrito está diante de mim: Não ficarei calado, mas lhes darei a plena e total retribuição”.

 

Oséias 12:2 – “O Senhor tem uma acusação contra Judá, e vai castigar Jacó de acordo com os seus caminhos; de acordo com suas obras lhes retribuirá”.

 

Lucas 12:47,48 – “Aquele servo que conhece a vontade de seu senhor e não prepara o que ele deseja, receberá muitos açoites. Mas aquele que não a conhece e pratica coisas merecedoras de castigo, receberá poucos açoites. A quem muito foi dado, muito será exigido; e a quem muito foi confiado, muito mais será pedido”.

 

Apocalipse 22:12 – “Eis que venho em breve! A minha recompensa está comigo, e eu retribuirei a cada um de acordo com o que fez”.

 

A retribuição é sempre de acordo com o que a pessoa fez, obviamente varia de pessoa a pessoa, podendo levar muitos ou poucos “açoites”, mas Deus não vai chegar para o ladrão de ovelha e dizer: “Você vai queimar pra sempre no inferno”, aí depois chegar para Adolf Hitler e dar exatamente a mesma pena. Cada um paga de acordo com o que fez. No fim, todos os ímpios serão eliminados:

 

Provérbios 10:25 – “Passada a tempestade o ímpio já não existe, mas o justo permanece firme para sempre”.

 

Provérbios 22:23 – “Porque o Senhor defenderá a sua causa em juízo, e aos que os roubam ele lhes tirará a vida.”

 

Isaías 11:4 - “Mas julgará com justiça aos pobres, e repreenderá com eqüidade aos mansos da terra; e ferirá a terra com a vara de sua boca, e com o sopro dos seus lábios matará ao ímpio

 

Malaquias 4:3 - “E pisareis os ímpios, porque se farão cinza debaixo das plantas de vossos pés, naquele dia que estou preparando, diz o Senhor dos Exércitos.”

 

2 Pedro 2:6 - “Também condenou as cidades de Sodoma e Gomorra, reduzindo-os as cinzas, tornando-as como exemplo do que acontecerá com os ímpios

 

Há mais de 170 passagens que falam do aniquilamento dos ímpios, dentre elas: Pv.10:25 - Sl.37:22 - Sl.37:9 - 2Pe.2:6 - Sl.37:10 - Sl.37:38 - Sl.34:21 - Sl.37:20 - Rm.6:23 - Sl.62:3 - Sl.94:23 - Sl.104:35 - Sl.145:20 - Pv.22:23 - Pv.1:29 - Is.5:23,24 - Is.11:4 - Ob.1:16 - Ml.4:1 - Ml.4:3 - Lc.17:27-29 - Rm.8:13 - 1Ts.5:3 - Tg.1:15 - Ap.20:9 - 2Pe.2:6.

 

Por fim, a Bíblia diz que apenas os justos terão corpos incorruptíveis (Fl.3:20; Fl.3:21; 1Co.15:35-55) e diz claramente que os ímpios serão corruptíveis, em contraste com os justos que terão a vida eterna em corpos glorificados incorruptíveis (Gl.6:8). Alguém com corpo corruptível não pode ficar queimando vivo no inferno para sempre, pois se assim fosse seria exatamente o inverso (incorruptível). A Bíblia é clara em dizer que o lago de fogo acontece sobre a Terra (Ap.20:9, 14 e 15), e no contexto imediato diz surgir novos céus e NOVA TERRA.

 

Não existe qualquer informação de que tal lago do fogo setransfirapara outra parte do universo. Para onde foi com sua lotação de malfeitores agoniados? A resposta se acha em Malaquias 4:1: “Pois eis que vem o dia, e arde como fornalha; todos os soberbos e todos os que cometem perversidade, serão como o restolho; o dia que vem os abrasará diz o Senhor dos Exércitos, de sorte que não lhes deixará nem raiz nem ramo”.

 

Isso ocorre no “lago do fogo”, sobre esta Terra, antes de passar pela transformação miraculosa que a tornará uma “nova terra”, o Paraíso prometido ao longo das Escrituras aos fiéis “que guardam os mandamentos de Deus e a fé em Jesus” (Ap.14:12). Deus SEMPRE agiu (e age) com ética, justiça e misericórdia. Deus te ama e quer te dar a vida eterna, que não vem pelo medo, mas pela graça de Deus mediante o autor e consumador da nossa fé, o Senhor e Salvador Jesus Cristo.

 

 

2) DEUS SE ARREPENDE DAQUILO QUE FAZ

 

Pensemos primeiramente sobre o possível arrependimento de Deus por ter criado o homem (Gn. 6.6). É preciso entender que esta é uma expressão antropomórfica, ou seja, sentimentos de Deus apresentados de forma a serem entendidos pelo homem comum. A idéia bíblica para arre­pendimento é mudar de direção, ou de comportamento ante a admissão de algum pecado.

 

No caso de Deus, mostra uma dor causada por traição ou quebra de aliança por parte do homem. O objetivo para o qual o homem existe, que é glorificar a Deus, não foi cumprido. "Arrependeu-se" é a palavra do vocabulário humano que mais se aproxima deste significado. Em ou­tra ocasião Deus deixou de aplicar o castigo, por sentir profunda miseri­córdia de seu povo. A expressão utilizada para mostrar este sentimento é "arrependeu-se" (Ex.32.14).

 

Deus foi acusado de mudar de comportamento. Segundo os ateístas, Deus permitiu o casamento entre irmãos, como no caso de Caim e mais tarde proibiu o incesto. Ora, as leis mosaicas formam um pacote dividido em vários subtítulos: Leis morais (10 mandamentos), leis ceri­moniais, leis sociais, etc. Algumas destas leis visam proteger a raça hu­mana, durante um determinado tempo, de alguma ameaça de extinção. Uma destas leis diz que o homem deve enterrar suas fezes. Ora, estamos lidando com um mandamento que visava proteger o indivíduo daquela época de uma contaminação.

 

Hoje temos uma rede de esgotos e aparelhos sanitários que nos protegem, uma forma moderna de enterrar as fezes. O princípio é eterno, mas sua aplicação pode ser contextualizada. Visivelmente esta lei foi dada para uma época específica, visando o bene­fício do homem. A lei que proíbe o incesto visava a mesma proteção, pois está pro­vado que casamentos consangüíneos podem acarretar alterações na for­mação do feto. Naquela época o problema não era tão grande, pois a re­cente criação do homem não lhe trazia uma história genética tão grande como a que temos. Hoje temos muito mais a herdar de nossos antepassa­dos do que naquela época.

 

 

3) DEUS NÃO MATOU O DIABO, MAS DEXA ELE ATORMENTANDO A GENTE AQUI

 

Tudo o que Deus faz ele faz com um propósito. Deus permitiu que Satanás continuasse vivo até hoje porque muitas vezes ele trabalha como um “vassalo” a Deus. De fato, Deus possui o atributo da Onisciência, e não o diabo. Muitas vezes Ele, na Sua Onisciência “usa” o diabo como um meio para alcançar algum fim bom. Deus não mata o diabo, entre outras coisas, porque este vassalo lhe presta serviços de várias naturezas. Mas, no final, quando está a serviço de Deus, o diabo sempre perde. Imagine Deus admitindo que Ele levou

 

Jó à situação que vivenciou? Imagine Deus admitindo que Ele levou Sansão, passo-a-passo até sua morte, quase suicida? Jó tinha que ser aperfeiçoado, ao invés de ficar só desfrutando de coisas boas, mas para isso Deus usou o diabo a fim de reestruturar a vida de Jó, moldá-lo e aperfeiçoá-lo. O Todo-Poderoso tem os seus vassalos. E lhe dou um exemplo prático: ao levar você ao fundo do poço não está o diabo prestando um serviço a Deus? Não é do fundo do poço que você balbucia aquela célebre frase: "Deus, se tu realmente existes, me faça sair daqui, ou me cura desta enfermidade, ou me tira desta situação???”.

 

E o que acontece a quem busca a Deus mesmo nesse desespero e por uma circunstância nada amorosa, de adoração, mas, de praticidade funcional? Deus, imediatamente entra em ação, estende a mão, te levanta da morte e põe em ordem o teu caos. Nós podemos não saber, mas muitas vezes Deus “usa” o Diabo para levar a frente os seus planos. Muitas vezes tem que acontecer algo ruim na nossa vida para um bem maior, a fim de aperfeiçoar o nosso caráter, mas Deus não pode nos fazer esse mal, pois Deus não pode praticar o mal, Deus é bom em essência. Ele muitas vezes usa Satanás como um “vassalo”, a colocar os seus planos em atividade.

 

 

4) DEUS NOS FEZ NESTA TERRA CHEIA DE MALDADE AO INVÉS DE NOS CRIAR DIRETO NO CÉU

 

Se Deus nos criasse direto no Céu, nós JAMAIS saberíamos o quão bom é o Céu. Como nós saberíamos que o Céu é um lugar bom, de recompensa, se nós não temos nenhum comparativo? Ora, o rico só se dá conta de como é boa a sua vida, quando vai para a África viver em condições sub-humanas! Aí sim ele aprende a valorizar aquilo que ele tem! Ora, se nós fossemos feitos para esta direto no Céu, sem nenhum comparativo, sem nenhum outro lugar que tivéssemos passado, jamais saberíamos o quão bom é este lugar, para onde os salvos vão. O Céu será um lugar onde não haverá tristeza, nem pranto, nem luto, nem aflição.

 

Ora, apenas se tivéssemos passado em algum lugar por tristeza, pranto, luto e aflição é que saberíamos o significado disso. Estaríamos no Céu sem saber o por quê, sem valorizar aquilo que temos e adorando a Deus por obrigação! “E lhes enxugará dos olhos toda lágrima, e a morte já não existirá, já não haverá luto, nem pranto, nem dor, porque as primeiras coisas passaram”. (Ap.21:4). E, por fim, o que considero o maior dos motivos: Jamais saberíamos o quanto Deus é bom! Jamais Deus ofereceria o seu próprio Filho, o seu filho único, para morrer por nós, pelos nossos pecados, porque não teríamos pecados!

 

O amor de Deus o Pai se derramou em nós, a saber, por meio do sacrifício vicário de Jesus Cristo por nós, porque “Deus amou ao mundo de tal maneira que deu seu Filho unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.” (Jo.3:16). Deus amou o mundo!!! Ele amou tanto eu e você que deu o seu próprio Filho para morrer por nós, pecadores, para sabermos o quanto Deus é bom!!!

 

Se Deus nos tivesse feito direto no Céu, jamais nós saberíamos o quanto Deus nos ama ao ponto de fazer uma atitude dessas por amor a todos nós!!! Louvado seja o Senhor! Jamais nós saberíamos o que é a “graça”, jamais nós saberíamos o significado da graça de Deus, pois “pela graça Dele nós somos salvos, e isso não vem por obras, para que ninguém se glorie” (Ef.2:8,9). Não vem por obras, vem pela graça, a graça que atua pelo amor, pelo amor do próprio Deus Vivo por nós! Quão maravilhosos são os desígnos de Deus! “Maravilhosos são os teus testemunhos, portanto, a minha alma os guarda” (Sl.119:129).

 

 

5) DEUS CRIOU O MAL E AGORA NÃO CONSEGUE DESTRUÍ-LO

 

Antes de qualquer objeção, devemos sempre lembrar que Deus nos concedeu o livre-arbítrio. O que é o livre-arbítrio? É o poder de escolha que Deus concedeu aos seres humanos. Estes não são robôs, mas podem escolher entre seguir a Deus ou não. Isso é de extrema importância para compreendermos a própria natureza do mal. O mal entrou no mundo quando o homem escolheu afastar-se de Deus e seguir os seus próprios caminhos. Por que Deus permitiu que o mal entrasse no mundo? Porque ele nos deu essa decisão de escolha.

 

Tudo o que Deus criou ele dotou de livre-arbítrio, a decisão de escolher entre segui-lo ou não. De outra forma, Deus iria ter criado “robôs” que o seguiam simplesmente porque não tem outra escolha. Se fosse para fazer isso, então nem criaria nada. Seguiríamos a Deus por obrigação, e não por escolha. Deus fez com que verdadeiramente tivéssemos o livre-arbítrio e escolher se gostaríamos ou não de segui-lo.

 

O fato de Deus ter nos concedido o livre-arbítrio, entre poder escolher entre o bem e o mal, entre servir a Deus ou não, explica o porquê da existência do mal: Deus não quis interferir no livre-arbítrio que Ele concedeu a nós. A fonte do mal é o nosso livre-arbítrio. Se Deus fosse eliminar todo mal, então teria de eliminar o nosso livre-arbítrio. E se ele eliminasse o nosso livre-arbítrio, não teríamos mais a capacidade de amar ou de fazer o bem. Este não seria mais um mundo moral.

 

Compararemos a nossa vida terrena com um time de futebol que ganha o campeonato nacional. Será que o capitão do time vencedor — que também foi o artilheiro do campeonato — desfruta da vitória muito mais do que aquele reserva que nunca entrou em campo? É claro que sim. Embora o reserva esteja feliz por fazer parte do time vencedor, a vitória é muito mais saboreada pelo capitão que também leva o prêmio de artilheiro porque ele contribuiu para isso e perseverou durante o ano todo para obtê-la.

 

Ao persistir diante de todas as dificuldades e dores de se jogar, ele na verdade aumentou sua capacidade de desfrutar da vitória. E ela tornou-se ainda mais saborosa quando ele recebeu o troféu de artilheiro do campeonato. O céu será muito semelhante a um vestiário de time vencedor (mas sem o cheiro!). Todos estaremos felizes por estar ali, mas alguns terão uma capacidade ainda maior de desfrutar dele e receberão também mais prêmios que outros. O prazer de desfrutar da vitória só tem sentido se neste campeonato (no caso, a nossa vida terrena) fosse um lugar de dificuldades que encontrasse lutas que por sua vez produzisse a perseverança.

 

 

5) O DEUS É MAU PORQUE DEIXA JUSTOS SOFREREM

 

Se Deus impedisse a dor todas as vezes que tivéssemos algum problema, então nos tornaríamos as criaturas mais negligentes e egoístas do Universo. Nunca aprenderíamos com o sofrimento. Aprender com o sofrimento? Exatamente, você acabou de ver outra razão pela qual Deus não põe fim ao mal exatamente agora. Você pode me citar uma lição duradoura que tenha aprendido do prazer? Eu poderia lhe dar uma hora; duvido que possa relatar muitas coisas.

 

Se você pensar sobre isso, vai descobrir que praticamente toda lição valiosa que já aprendeu resultou de alguma dificuldade em sua vida. Na maioria dos casos, a má sorte ensina enquanto a boa sorte engana. De fato, você não apenas aprende lições com o sofrimento, como ele é praticamente a única maneira pela qual pode desenvolver as virtudes. Você não pode desenvolver coragem a não ser que esteja em perigo. Não pode desenvolver perseverança a não ser que tenha obstáculos no caminho.

 

Não vai aprender como ser servo a não ser que exista alguém a quem servir. A compaixão nunca será compreendida se não houver uma pessoa que esteja passando por uma necessidade ou enfrentando o sofrimento. É como diz aquela expressão: "Sem dor, não tem valor". Mas uma vez que Deus tem razões para não banir o mal exatamente agora, você precisa desenvolver virtudes para esta vida e para a depois desta. Este mundo é um lar desconfortável, mas é uma grande academia para a vida futura.

 

 

6) O DEUS DO ANTIGO TESTAMENTO É UM DEUS MAU PORQUE MANDAVA MATAR PESSOAS

 

A terra prometida que deveria ser dos descendentes de Abraão estava ocupada por sete nações. Primeiramente devemos ter em mente quem e como eram essas nações. A religião cananéia era extraordinariamente vil e degradada, seus “postes sagrados” sendo evidentemente símbolos fálicos, e muitos dos ritos nos seus “altos” envolviam crassos excessos e depravações sexuais (Êx 23:24; 34:12, 13; Núm 33:52; De 7:5). O incesto, a sodomia e a bestialidade eram parte ‘do que faziam os da terra de Canaã’, que tornava imunda a terra, a qual, por esses erros, estava para "vomitar os seus habitantes" (Le 18:2-25).

 

A magia, a feitiçaria, o espiritismo e o sacrifício de seus filhos por meio do fogo achavam-se também entre as práticas abomináveis dos cananeus. Baal era a mais destacada das deidades adoradas pelos cananeus (Jz 2:12; Jz 6:25-32; 1Rs 16:30-32.). As deusas cananéias Astorete (Jz 2:13; 10:6; 1Sa 7:3, 4), Axerá e Anate são apresentadas num texto egípcio tanto como deusas-mães, como quais prostitutas sagradas, as quais, em paradoxo, permaneciam sempre virgens (literalmente, “as grandes deusas que concebem, mas não dão à luz”). Pelo visto, a adoração delas envolvia invariavelmente os serviços de prostitutas de templo.

 

Essas deusas simbolizavam não só a qualidade da lascívia sexual, mas também da sádica violência e guerra. Assim, a deusa Anate é retratada na Epopéia de Baal, de Ugarite, como realizando uma matança geral de homens e depois enfeitando-se com cabeças suspensas e prendendo mãos de homens à sua cinta, ao passo que alegremente anda no sangue deles. Enfim, uma degradação social total. E era esse povo que tinha que dar espaço para os hebreus conquistarem a Terra Prometida. Para que a promessa a Abraão se cumprisse, estas nações deveriam ser retiradas daquele lugar. Acontece que estas nações só poderiam ser removidas daquela localidade se houvesse um motivo justo, e isto foi revelado a Abraão.

 

O Eterno disse a Abraão que a sua descendência só tomaria posse da terra se os habitantes dela cometessem graves delitos, devemos nos lembrar que só Deus tem acesso ao passado, presente e futuro, Ele desejou revelar isso a Abraão. E assim aconteceu, o tempo se passou, os descendentes de Abraão cresceram e se tornaram escravos no Egito, e o pecado dos cananitas se agravou.  Deus poderia muito bem mandar fogo e enxofre como no juízo de Sodoma, que estava oprimindo aos pobres e gastando todos os recursos disponíveis na promiscuidade.

 

Deus derramou o juízo sobre os habitantes de canaã pela guerra e não pelo fogo, o motivo, muito simples, para que o povo judeu visse que a guerra não era algo agradável, para que eles mesmo não resolvessem praticar as injustiças que eram feitas por aqueles povos, porque caso contrário, sofreriam as mesmas conseqüências. Existe uma lei prescrita pelo Eterno que no monte Sião não poderá haver idolatria e práticas repugnantes como oferta de crianças a deuses (demônios), porque tal procedimento atrai a maldição para a terra.

 

Por que? Porque o monte Sião é o lugar do repouso de Deus por decreto, por isso estes povos foram removidos, e o Eterno na Sua insondável sabedoria colocou os próprios judeus para realizar a tarefa. O Eterno aguardou 400 anos pelo arrependimento daquelas nações, foi rejeitado, elas ensinavam suas práticas repugnantes às crianças e elas se tornavam adultas e passavam para as próximas gerações.

 

Era um chaga incurável, até que a misericórdia de Deus alcançou Seu ponto máximo, mas foi desprezada, e assim eles foram removidos, não por catástrofes naturais ou por permissão dada aos demônios, mas pelas mãos do exército de Israel, para que vissem o horror da guerra e não caíssem na mesma iniqüidade daqueles povos, mas a história mostrou que o povo de Israel em certos momentos traiu a Deus e por isso, assim como removeram as nações, foram removidos.

 

A morte de uma criança de certo choca a todos os seres humanos normais, mas somente Deus tem o poder de dar a vida e de retirá-la. Quando Deus tira a vida de um velho, adulto, jovem, feto ou criança, Ele tem motivos e sabe o porquê, Deus administra a morte de todos os habitantes do planeta, a este momento pessoas estão morrendo, e isso sob a permissão de Deus, para nós humanos a morte é extremamente desagradável, até para um assassino. Mas para Deus todos vivem, para Ele a morte é uma transferência, entretanto Ezequiel revela que Deus não se agrada quando chega o momento dEle derramar o juízo de morte.

 

O que isto significa? Que quando chega o momento de Deus ordenar a morte de algum rebelde, por mais sórdido e pecador que seja, Ele não faz isto sentindo alegria, porque se trata de um humano, feito à Sua semelhança, mas infelizmente os prejuízos causados pelo rebelde a outros humanos extrapolariam os limites se ele permanecer vivo. Deus não se agrada da morte do ímpio, diz a Palavra, mas se ele exceder os seus limites permitidos de rebeldia, infelizmente, ele morre. Não se deve esquecer que a lei da guerra só poderia ser aplicada uma vez e naquela ocasião específica, depois nunca mais. Tornou-se em "artigo morto".

 

O Eterno nunca aceitou sangue de crianças em sacrifícios, e até os animais que eram sacrificados no templo eram aproveitados nas refeições, não existe sofisma algum que justifique o sacrifício de crianças, é algo bizarro, antinatural e criminoso. Deus logo não pode ser associado à crueldade, a palavra crudelis significa carniceiro, numa analise etimológica grotesca, o amante do sangue, que tem prazer na destruição jamais pode ser Deus, simplesmente porque quem constrói e se envolve anos em um projeto NUNCA sentirá prazer em desfazer aquilo que demorou tanto tempo para construir, a essência de Deus é construção, criação, edificação, invenção, amor...

.
Deus é amor, e Sua criação mais perfeita foi o ser humano, o amor de Deus pelo ser humano é muito grande, tal como não podemos entender, ao ponto de oferecer o próprio Filho para pagar a DÍVIDA do ser humano. Esse amor de Deus não só é revelado em nossos corações por meio de Jesus Cristo, como também foi demonstrado até pelos cananeus. De fato, Deus fala a Abraão em Gênesis:

 

“E a quarta geração tornará para cá; porque a medida de iniqüidade dos amorreus não está ainda cheia” (Gênesis 16:15)

 

Mesmo Deus sendo onisciente e sabendo que os amorreus não iriam se arrepender dos seus pecados, e continuariam praticando todas aquelas práticas repugnantes descritas acima, Deus ainda assim foi ético e esperou dar o tempo certo, o tempo determinado, “suportou” por mais quatrocentos anos aqueles povos, até que se enchesse a medida de iniqüidade daqueles povos, para só aí Deus agir contra eles. Deus esperou Noé pregar por 120 anos que viria a destruição, mas os antediluvianos preferiram assumir as conseqüências. Deus foi ético do início ao fim.

 

 

CONCLUSÃO

 

Por fim, todas as objeções ateístas contra a ética e a justiça de Deus são falhas e erram em si mesmas. Qualquer estudante honesto das Escrituras, iluminado pelo Espírito Santo de Deus, percebe que a descrição de Deus sendo tão bom ao ponto de entregar o seu próprio Filho por todos nós não é apenas um escrito bonito, mas algo que revela o profundo sentimento de amor de Deus para com a Sua criação. Um justo não escolhe sofrer? Bem, isso não é exatamente verdade. Um homem certamente optou por sofrer.

 

Jesus Cristo se voluntariou a sofrer, de modo que você e eu pudéssemos nos reconciliar com Deus. Essa foi a única causa real de uma coisa ruim acontecer a uma pessoa verdadeiramente boa. Desse modo, podemos reclamar com Deus sobre a dor e o sofrimento, mas precisamos admitir que ele não se isentou deles. Quanto a você e a mim, às vezes Deus nos salva do mal, mas às vezes ele nos conforta por meio do mal. Seja qual for o evento, quer saibamos as suas razões quer não, os crentes podem confiar em Deus no sentido de que todas as coisas vão trabalhar em conjunto para o bem, de acordo com seu plano eterno.

 

"Se alguém quiser acompanhar-me, negue-se a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me. Pois quem quiser salvar a sua vida, a perderá, mas quem perder a sua vida por minha causa, a encontrará. Pois, que adiantará ao homem ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma? Ou, o que o homem poderá dar em troca de sua alma?" (Marcos 8:35-37)

 

 

----------------------------------------------------------------------------

Por: Lucas Banzoli.

 

*Boa parte deste artigo é uma compilação de várias fontes, dentre as quais o livro "Filho do Fogo" (Daniel Mastral) e outras fontes da web

 

Clicando em ENVIAR CARTA, no menu esquerdo, você pode comentar, criticar ou debater sobre o assunto com o autor do site.

 

 

Curta no Facebook para estar por dentro das atualizações: